A Historia da Família Filizola

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

AVISO

Todo conteúdo fornecido e hospedado pelo portal Doutor Balança é inteiramente grátis, incluindo softwares, manuais e dicas. Nosso intuito é auxiliar e instruir o usuário final e balanceiros.
Então fique a vontade e aproveite nosso conteúdo.

Enquanto buscava material para outra postagem, me deparei com alguns texto bem interessantes sobre a história da Filizola, resolvi de compila-los compartilhar aqui..

Tudo começou em 1882, quando o imigrante italiano Vicente (Provavelmente Vincenzo na época, equivalente deste nome em Italiano) Filizola, desembarcava no porto do Rio de Janeiro, em 1882, a bordo do navio Île de France, um jovem imigrante italiano de 14 anos. Permaneceu trabalhando naquela cidade durante dois anos como auxiliar em casas de ferragensm, o que permitiu praticar um pouco do nosso idioma.

Em meados de 1884, mudou-se para São Paulo, onde iria procurar seu tio, o Sr. Pedro Gaetano, para quem tinha especiais recomendações. Este auxiliou-o na montagem de uma pequena serralheria, onde iniciou a fabricação de fechaduras e trincos para portas.

Em princípios de 1886, apresentou-se alguém em sua oficina solicitando o conserto de uma balança do tipo Roberval, importada da França. Recusou-se, a princípio, por desconhecer a técnica de construção do equipamento e o procedimento correto para seu conserto, mas acabou cedendo à insistência do dono da balança, prometendo tentar fazer o que lhe fosse possível. Como alcançou sucesso em seu intento de obter um conserto satisfatório da balança, Vicente retardou a entrega do equipamento com a intenção de copiá-la da melhor forma possível.

Após confeccionar peça por peça o primeiro modelo de uma balança Filizola, Vicente passou a produzir as primeiras balanças nacionais, que rapidamente conquistaram o mercado. Essa aceitação se deu por dois motivos: primeiro, porque eram tão precisas quanto as importadas e, segundo, porque eram consideravelmente mais baratas. Até então, elas eram feitas sob encomenda.

Como a procura aumentava, o jovem foi obrigado a montar uma oficina em sua própria casa, na Rua da Consolação, em frente ao prédio da Biblioteca Municipal de São Paulo. Oficialmente no dia 5 de abril de 1886, nascia a “V.Filizola & Gaetano” que logo mais seria modificada para “Filizola & Co. Ltda”., a primeira indústria nacional de balanças.

Balança antiga Filizola tipo Roberval

Por meio de uma produção completamente artesanal, a indústria, em 1890, já empregava 40 pessoas. Com o passar dos anos, os filhos de Vicente se juntaram a ele na gestão da empresa. Nicola (Nicolau como seria abrasileirado), o mais velho, formado em Engenharia pela Escola Politécnica de São Paulo, foi o primeiro a colaborar com o pai nos negócios,posteriormente, aliaram a ele Pedro e Aurelio que juntos, deram continuidade ao patrimônio e solidificaram ainda mais a posição da indústria no mercado nacional.

O pequeno sobrado da Rua da Consolação ficou muito pequeno para as dimensões que a empresa adquiria. Em 1920, era inaugurada uma nova etapa na vida da empresa, com a transferência da fábrica para uma unidade maior e mais moderna localizada no bairro do Canindé, São Paulo.


Balança Filizola Mecânica “Vermelha” – Marca registrada da empresa

Em 5 de abril de 1936, a Filizola completou 50 anos. Foi nesta época que começaram a ser fabricados os primeiros cortadores manuais da companhia. Nesta década, também foram fabricadas as primeiras balanças semiautomáticas vermelhas, que se consagraram por muito tempo como a marca registrada da Filizola.

Comemoração 50 Anos da Filizola Balanças

Os processos de sucessão nas Indústrias Filizola sempre foram orientados pelo critério da idade na definição de sucessores e na distribuição dos cargos de diretoria. Em 1942, com o falecimento do fundador da empresa Sr. Vicente, a presidência foi sucedida por seu filho mais velho, Nicola (ou Nicolau como seria abrasileirado). O segundo filho mais velho do fundador, passou a ocupar o segundo cargo mais importante da empresa, o de Diretor Superintendente. Num primeiro instante, esse procedimento seria até natural. Devido à própria diferença de idade e, consequentemente, ao maior tempo de experiência na empresa.

Nota de falecimento – Vicente Filizola

Em 1946 a Filizola Balanças completa 60 anos de existência, o almoço de comemoração aconteceu à Pça Antônio Prado na “Brasserie Paulista” de propriedade de Vittorio Fasano.

Comemoração de 60 anos da Filizola Balanças

Em 1948 Nicolau mandaria construir, ali onde foi a primeira fábrica da Filizola, um edifício qual nome seria uma Homenagem ao pai, Ao todo seriam 10 pavimentos e o térreo seria ocupado por uma loja da própria Filizola.

Porta do Edificio Vicente Filizola – R. da Consolação, 65 – São Paulo – SP, 01301-000
Edificio Vicente Filizola – R. da Consolação, 65 – São Paulo – SP, 01301-000

Fernando Filizola, Bisneto de Vincenzo, conta :

“A construção do Edifício já havia sido idealizada por Nicolau ainda quando Vicenzo era vivo. Na propriedade do “tio Gaetano” em conjunto com o terreno vizinho, que o próprio Vicenzo havia adquirido,  foi levantado o Edifício Vicente Filizola.”

Já em 1951, a Filizola comemorou a marca histórica de 500.000 balanças produzidas. Dois anos mais tarde, seguindo os avanços tecnológicos, a empresa começou a fabricar os primeiros cortadores elétricos do mercado.

“Sirva a freguesia com uma moderníssima balança Filizola: bela, útil e decorativa. Complete a instalação de sua casa comercial e satisfaça seus clientes. Capacidade para 150 quilos”. Propaganda de 1958

Em 1966, a empresa transfere-se da sede do bairro do Canindé, onde estava instalada desde 1920, para uma nova unidade com uma área de 20.000 m2, no bairro do Pari, na rua Joaquim Carlos – 1236. A mudança ocorreu em função de necessidades logísticas.


Em 1970 falece Nicolau Filizola, que regeu a empresa junto ao pai Vicente.

Vicente e Nicolau – Ambos estão sepultados num belo túmulo de Família, no Cemitério do Araça. (Quadra 40 / Tumba 23)

Em 1979 a Filizola começaria a fabricar e comercializar a primeira balança eletrônica da América Latina, que foi denominada 1005

Primeira balança eletrônica da Filizola, Modelo 1005.

A partir dos anos 80, a Filizola passou a produzir também leitores e impressoras de códigos de barras, a Tp-30, que poderia ser interligada a suas balanças comerciais.

Impressor Térmico Tp-30

No ano de 1998 a Filizola homologa no Inmetro e anuncia o lançamento do modelo que a colocaria no cenário de automação comercial, a Filizola Platina.

Balança Filizola Platina

Em 2004 a Filizola realizou alteração sua nova logomarca. O resultado foi uma identidade visual leve e arrojada, que soube conservar os valores conquistados pela empresa durante sua história.

Antiga Logomarca e Nova Logomarca da Filizola

Entre 2004 e 2005, a Filizola decide aumentar a sua competitividade e monta duas novas fábricas em Campo Grande – MS. Esse período marca também o início das atividades de venda pela Internet com a inauguração da Filizola Store, a loja virtual da Filizola.

Fábrica da Filizola Balanças em Campo Grande/MS (Foto de 2012) – Avenida Costa e Silva – 1200

Sempre atenta à modernização tecnológica, a Filizola fez da tecnologia digital a essência de seus produtos. Tudo passou a ser informatizado: a pesagem, os cálculos dos preços, a geração de etiquetas e o armazenamento de informações. Com isso, os produtos da Filizola tornaram-se ainda mais práticos e funcionais, e conquistaram rapidamente o comércio e a indústria.


Em 2008, sob o comando da quarta geração, chegou a tentar uma reestruturação com auxílio de uma assessoria especializada em profissionalização de gestão. No fim daquele ano, com a crise global, o plano acabou indo por água abaixo e voltou ao antigo modelo. A saúde financeira da Filizola, desde então, foi se deteriorando.

A Filizola foi a primeira empresa do setor a obter a certificação ISO 9001:2000. A qualidade de seus produtos também foi reconhecida por prêmios recebidos das principais associações do comércio (ABRAS, APAS, EAN) e de diversas outras instituições regionais.


Em 2012, a Filizola foi a marca mais lembrada pelos panificadores brasileiros e por essa razão recebeu, pelo quarto ano consecutivo, o prêmio de destaque na Categoria – Equipamentos & Acessórios no evento Maiores & Melhores da Panificação Brasileira em dezembro no Hotel Renaissance, em São Paulo.


Ainda em meados de 2012, com 280 funcionários e duas unidades fabris em Campo Grande (MS), a Filizola entrou em recuperação judicial.


Em 2014, com R$ 25 milhões em dívidas, foi decretada a falência da companhia.


A história dessa família de grandes empresários perdurou por quatro gerações e mais precisamente até 2014, quando foi decretada a falência após 128 anos de serviço e liderança absoluta no setor de pesagem.

Hoje, com mais de 2,5 milhões de balanças fabricadas temos a certeza os produtos Filizola irão continuar povoando os balcões de padaria e açougues, as estantes das farmácias, academias e hospitais, esta é uma história que continuará viva ainda por muitos anos.


Missão:

A Filizola | Nosso Compromisso • O sucesso do negócio depende de clientes satisfeitos; • Buscamos a qualidade e a excelência em tudo que fazemos; • Esperamos um retorno adequado sobre os investimentos; • O desenvolvimento tecnológico é a arma para manter a liderança de mercado; • Valorizamos nossos colaboradores; • Nos comportamos responsavelmente como cidadãos corporativos; Conselho de Administração. “Para atrair clientes, toda a empresa deve ser considerada um organismo destinado a criar e atender clientes. A administração não deve julgar que sua tarefa é fabricar produtos, mas sim, proporcionar satisfação que conquiste os consumidores. Deve propagar estas idéias por todos os cantos da organização. Deve fazer isto sem parar, com vontade, de forma a motivar e estimular as pessoas que fazem parte dela”


Referencias:

https://emais.estadao.com.br/blogs/arqui-achados/ocuriosocasodafamiliafilizola/

https://arcoweb.com.br/projetodesign/artigos/artigo-a-habitacao-coletiva-na-obra-de-franz-heep-01-09-2002

http://www.acropole.fau.usp.br/edicao/3/34

https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaoes/article/download/10513/7518

http://www.ersadvocacia.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=4824

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin