Classes de pesos, entenda as principais diferenças.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

AVISO

Todo conteúdo fornecido e hospedado pelo portal Doutor Balança é inteiramente grátis, incluindo softwares, manuais e dicas. Nosso intuito é auxiliar e instruir o usuário final e balanceiros.
Então fique a vontade e aproveite nosso conteúdo.

Todos pesos padrão são classificados com base na Portaria INMETRO n° 233, de 22 de Dezembro de 1994, que aprova o Regulamento Técnico Metrológico, considerando a Regulamentação Internacional R 111 (94) OIML. Eles são divididos em 7 classes de exatidão, são elas: M3, M2, M1, F2, F1, E2 e E1.

 

Mas o que vem a ser uma classe de exatidão?

São classes de medidas materializadas que satisfazem certas exigências metrológicas destinadas a enquadrar os erros dentro de limites especificados. No caso do pesos padrão as exigências metrológicas são:

  • Para aferição/calibração de pesos:
    E1: Massas destinados a assegurar a rastreabilidade entre os padrões de massa nacional e as massas de classe inferior E2.
    E2: Massas destinadas a verificação inicial das massas da classe F1.
    F1: Massas destinadas a verificação inicial das massas de classe F2.
    F2: Massas destinadas a verificação inicial das massas de classe M1 e M2.
    M1: Massas destinadas a verificação inicial das massas de classe M2.
    M2: Massas destinadas a verificação inicial das massas de classe M3.
  • Para aferição/calibração de balanças e sistemas de pesagem:
    E2: Podem ser utilizados como massas da classe E1 se satisfizerem as prescrições relativas a rugosidade e a susceptibilidade magnética para as massas da classe E1. Massas destinadas a serem utilizadas com instrumentos de pesagem de classe de exatidão I.
    F1: Massas destinadas a serem utilizadas com instrumentos de pesagem de classe de exatidão I.
    F2: Massas destinadas a serem utilizadas nas transações comerciais importantes com instrumentos de pesagem de classe de exatidão II.
    M1: Massas destinadas a serem utilizadas com instrumentos de pesagem de classe de exatidão II.
    M2: Massas destinadas as transações comerciais normais com os instrumentos de pesagem de classe de exatidão III.
    M3: Massas destinadas a serem utilizadas com os instrumentos de pesagem de classe de exatidão III e IV.

Quais os critérios utilizados na classificação dos pesos?

1 – Forma:
2 – Construção
3 – Material
4 – Massa especifica
5 – Rugosidade (superfície)
6 – Tipo de ajuste
7 – Marcação utilizada
8 – Erro máximo permitido

1 – Forma:

Embora seja de extrema importância os requisitos desse item, não será ele que irá determinar se um peso pertence a uma classe ou não.

Independente da classe de exatidão pertencente todos os pesos devem ter formatos geométricos, sua superfície externa deve ser isenta de defeitos de fabricação (rebarbas, porosidade, caroços).

Os pesos de uma determinada serie deve ter o mesmo formato, exceto pra pesos iguais ou abaixo de 1g.

Pesos com 1g ou menos, devem possuir formato de laminas poligonais ou fios metálicos.
Pesos das classes M1, M2 e M3 com capacidade entre 5kg e 50kg, podem ter formato de paralelepípedo com arestas arredondadas e alça com pega rígida.


2 – Construção:

• E1 e E2: Devem ser sólidos, isentos de cavidades abertas e constituído por uma única peça, ou seja construção integral.

• F1 e F2: Podem ser constituídos de uma ou mais peças, desde que sejam do mesmo material, podem conter câmaras para ajuste, devidamente lacrada com tampão ou outro dispositivo de vedação, diferente dos pesos da classe E1 e E2 que são obrigatoriamente sólidos.

• M1: Todos os pesos desta classe devem possuir câmara para ajuste, podendo ter os formatos paralelepípedos retangular ou cilíndrico.

• M2 e M3: Os pesos desta classe também devem possuir câmara de ajuste, sendo opcional apenas para as massas de 10g, 20g e 50g. Pesos de 5kg à 50kg com formato de paralelepípedo com pega de tubo oco, a câmara de ajuste deve ser constituída pelo interior do tubo, caso a pega seja solida deve possuir câmara de ajuste na superfície de cima da massa.


3 – Material:

Todos os pesos, sem exceção dever ser resistentes a corrosão, seja pelo material utilizado ou pela aplicação de produtos, como tintas ou esmaltes.

• E1 e E2: Deve ser formado essencialmente por um material amagnético, ou seja que não é atraído por outro material como ferro ou imã. Em todos os casos são feitos de aço inox.

• F1 e F2: Sua dureza e consistência deve ser equivalente ao latão (no mínimo), composto de algum metal ou liga que seja praticamente amagnético, na maioria dos casos assim como os E1 e E2 são feitos de aço inox.

• M1, M2 e M3 : Pesos retangulares: Na maioria dos casos são fabricados usando ferro fundido, ou outro material que tenha propriedades semelhantes ao do ferro fundido.

• M1, M2 e M3: Pesos cilíndricos: São fabricados usando latão como matéria prima, ou matéria com qualidade e propriedades semelhantes.


4 – Massa especifica:

 

Esse quesito refere-se à massa especifica do material do qual o peso é constituído, valor este que tem relação direta com o volume do objeto (peso = massa/volume).
A massa especifica do material constitutivo do peso deve ser tal que um desvio de 10% na massa especifica do ar (1,2kg/m3) provoque, no máximo, um erro de 1/4 do erro máximo permitido. Estes limites estão expostos na tabela ao lado.

 

Limites superiores e inferiores para a massa específica (ρmin, ρmax) 10³ kg.m-3


5 – Rugosidade (superfície):

Independente da classe dos pesos, todos devem possuir superfície lisa, com arestas arredondadas e isentas de rebardas. Os pesos das classes E2, E1, F2, e F1 devem possuir superfície polida.

O acabamento dos pesos retangulares das classes M1, M2 e M3 deve ser similar ao ferro fundido cinzento, tal resultado pode ser obtido por pintura.

Sob as condições normais de utilização, a qualidade das superfícies deve ser tal que a alteração da massa dos pesos seja desprezível com relação ao erro máximo permitido.


6 – Tipo de ajuste:

• E1 e E2: Os ajustes devem ser realizados com uso de abrasão, ou qualquer outro método apropriado, a superfície devem obedecer as exigências de construção do item 5.

• F1 e F2: Assim como os pesos da classe E1 e E2 os pesos inteiriços devem ser ajustados por abrasão, ou qualquer outro método apropriado, que não altere a superfície. Já os com cavidades ou câmaras de ajuste devem ser ajustados com o mesmo material constitutivo do peso ou com estanho, molibdênio ou tungstênio.

• M1, M2 e M3: Pesos de 100 g a 50 kg devem ser ajustados com esferas de chumbo ou outros materiais metálicos densos, os pesos cilíndricos de 1 g a 50 kg sem cavidades devem ser ajustados por remoção ou adição de material ou outro método apropriado, no caso de possuírem cavidades de ajuste, devem ser ajustados com esferas de chumbo ou outro material metálico denso.
Os pesos de laminas ou fios de 1 mg a 1 g devem ser ajustados por corte, abrasão ou outro método apropriado.


7 – Marcação utilizada:

Observações:
• Todos os exemplares de pesos que forem duplicados devem conter marcações de “*” ou “.” para diferenciá-los, exceto para as laminas.
• Os pesos em laminas ou fios de 1 mg a 1 g não portam indicações do valor nominal ou classe de referência.
• Os números indicativos dos valores nominais dos pesos devem representar:
1 – Quilogramas- para massas maiores ou igual a 1 kg
2 – Gramas- para massa de 1 g até 500 g.

• E1 e E2: Os pesos das classes E1 e E2 não portam indicações dos valores nominais ou classe de referência, tais informações devem estar expostas no estojo dos pesos, os pesos podem conte marcações de pontos “.” Fora do centro da superfície, o qual é usado para diferenciação entre eles.

• F1 e F2: Pesos de 1 kg a 50 kg devem portar por gravação a indicação dos valores nominais expressos (nao seguido do símbolo ou nome da unidade de medida). Os pesos da classe F1 não devem portar a indicação da classe de exatidão, já os da classe F2 de 1 g a 50 kg devem conter a indicação da classe sob forma “F” acompanhada da indicação do nominal do peso.

• M1, M2 e M3: Pesos retangulares de 5 kg a 50 kg devem indicar os valores nominais seguidos do simbolo “kg”, gravados em relevo, os pesos cilíndricos de 1 g a 10 kg também devem indicar os valores nominais seguidos do símbolo “g” ou “kg”.

• Os pesos da classe M1, devem portar o símbolo M1 ou M, em alto ou baixo relevo, os pesos da classe M2 devem portar o símbolo M2, em alto ou baixo relevo, ou nenhuma indicação de classe, já os pesos da classe M3 devem portar o símbolo M3 ou X, em alto ou baixo relevo, todas as marcações das classes devem vir acompanhado das marcações junto com a indicação do valor nominal.

• Os pesos das classes M2 e M3 (exceto os pesos de fios) podem portar a marca do fabricante, em tal caso, deve ser indicado em alto ou baixo relevo na parte central da superfície superior dos pesos retangulares, na face superior da pega dos pesos cilíndricos ou na face superior dos pesos cilíndricos da classe M3, munidos de pega.


8 – Erro máximo permitido:

Pode se dizer que esse quesito é o mais importante de todos, uma vez que todos os demais têm influência direta sobre ele e é com ele que podemos determinar se determinado peso pode ser considerado aprovado em sua classe de exatidão.

Vejamos a tabela abaixo:

Para melhor explicar, tomaremos como exemplo dois pesos, com a mesma massa, porem de classes diferentes, uma da F1 e outro M3, ambos de 20g.

Note a diferença de valores, quando colocados sobre uma balança com resolução de 0.001g

 

Se utilizarmos o peso da classe F1 de 20 g, a balança indicará 20,000 g porque o erro está abaixo da resolução da balança e não é detectado pelo instrumento. Já o peso da classe M3 de 20g é indicado por 20,019 g, pois seu erro máximo é superior se comparado a resolução da balança.
Neste caso o operador não saberá se o erro está no equipamento ou no peso utilizado, por isso devemos ter em mente qual peso padrão utilizar nos equipamentos.

 

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin